• (11) 3466.5015
  • contato@lmtelecom.com.br

TRIBUTAÇÃO: Liminar suspende cobrança de ICMS em software e streaming em SP.

Fonte: BRUNO DO AMARAL - Teletime

Foto - TRIBUTAÇÃO: Liminar suspende cobrança de ICMS em software e streaming em SP.

Foi deferido pela Justiça do Estado de São Paulo o pedido de liminar feito pela associação das empresas de software Brasscom para um mandado de segurança coletivo na suspendendo a exigência do ICMS nas operações com licenciamento e cessão de direito de uso de software e streaming no estado paulista. A decisão da juíza Simone Casoretti, da 9ª vara da Fazenda Pública de São Paulo, foi tomada na semana passada pela Justiça, mas comunicada nesta segunda-feira, 19, pela entidade. 

Segundo a Brasscom, a medida faz parte de estratégia estabelecida por especialistas na área tributária no Grupo Temático de Trabalho da entidade, cujo objetivo final é "consolidar o entendimento pela inconstitucionalidade da incidência do ICMS sobre tais operações no Brasil". Explica que a cobrança gerava "insegurança jurídica" para as empresas de software e streaming por se tratar de bitributação, uma vez que software e streaming já estariam alcançados pela incidência do ISS, de competência municipal.

Em outubro de 2017, o Confaz assinou o Convênio ICMS 106/17 tratando da cobrança do imposto sobre "bens e mercadorias digitais", incluindo operações com licenciamento  de software e streaming, que começaria a valer a partir de 1º de abril. Na avaliação da Brasscom, isso levou à "generalização de um problema que já era presente, estimulando outros Estados a editarem legislações semelhantes". Afirma que, na prática, é uma nova incidência tributária criada pelo Confaz, "órgão que carece de competência tributária para tanto". 

Em nota, o presidente-executivo da Brasscom, Sérgio Paula Gallindo, afirma que se trata de "uma disputa fraticida entre entes federados ávidos por receitas, na qual a Constituição está sendo rasgada pelo exercício ab-rogado da bitributação". Ele completa dizendo ser " lamentável que o setor  responsável pelas tecnologias transformacionais da 4ª Revolução Industrial se veja em situação de tamanha insegurança jurídica". 

Na decisão do dia 15 de março, a juíza Casoretti verifica a "relevância dos fundamentos invocados", entendendo que "admitir a incidência do ICMS em software por download e streaming com base e convênio e decreto afronta, sem qualquer dúvida, o disposto no art. 146 da Constituição Federal". Ressalta ainda que o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), no julgamento da Adin 1945 (cujo relator foi o ministro Gilmar Mendes), posicionou-se pela necessidade de tratamento idêntico ao software em base física e ao objeto de download, mas que isso ainda não é uma decisão definitiva. Por isso, acredita ser "forçoso" concluir que a transferência de conteúdo digital por download ou streaming configura uma circulação efetiva de mercadorias.

O mandado de segurança coletivo, patrocinado pelo escritório Rolim, Viotti e Leite Campos Advogados, ressalta que o art. 146 da Constituição dispõe que apenas Lei Complementar pode definir regras de incidências dos tributos e dirimir conflitos de competência entre os entes federativos, "sendo que a Lei Complementar nº 116/03, certa ou não, já cumpriu esse papel ao determinar a tributação pelo ISS de diversas atividades no âmbito da economia digital", segundo diz o escritório de advocacia. Por isso, alegam que o convênio ICMS e o decreto paulista teriam "extrapolado suas competências" ao criar nova incidência não prevista constitucionalmente ou na Lei Complementar nº 87/96. "Desta forma, apenas uma reinterpretação do conceito de 'mercadorias' previsto na materialidade do ICMS pelo STF poderia alterar essa realidade, o que ainda não ocorreu, nem mesmo quando da análise da Cautelar da ADI n° 1945/MT, ainda pendente de julgamento no mérito."

Na avaliação do escritório Rolim, Viotti e Leite Campos Advogados, a disputa da competência tributária se dá pela crise financeira dos estados e municípios e da crescente participação das novas tecnologias, além da "ineficiência dos Tribunais Superiores e do Poder Legislativo para pôr fim a essa disputa de receita tributária". Com isso, alega que a "insegurança jurídica" torna os negócios do setor tecnológico menos atrativo, culminando na redução de investimentos e "geração de riqueza e empregos". "Vale lembrar que o aumento de carga tributária irracional só penaliza os consumidores e a própria sociedade, sendo que essa decisão liminar reforça o quanto essa discussão é importante, mas que ainda está apenas no começo de uma longa batalha judicial", conclui.

 

 

 

Outras Publicações

Aprovada destinação de faixas de frequências de 2,3 GHz e 3,5 GHz

A destinação e o regulamento sobre condições de uso das faixas de radiofrequências de 2,3 GHz e de 3,5 GHz foram deliberadas pelo conselh...

Leia +
Mais da metade da população segue ouvindo rádio.

No ano em que mais da metade da população brasileira ouviu rádio todos os dias, segundo pesquisa Book de Rádio do Kantar Ibope Media, o meio se rein...

Leia +
LM Telecom esteve no Streaming Brasil

Da esquerda para a direita, Representante da Claro, Maurício (ABRATEL), José Eduardo (ABRATEL), Rodrigo Ferreira, gerente LM Telecom   &...

Leia +
Secretário de Radiodifusão quer que público avalie a qualidade do serviço

O secretário de Radiodifusão do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Elifas Gurgel, afirm...

Leia +
Câmara de São Paulo escolhe presidente e relator de CPI das Antenas

A Câmara Municipal de São Paulo instalou nesta quarta-feira, 13, uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para apurar eventuais irregularidades no...

Leia +
Contato

R. São Carlos do Pinhal 696 - Bela Vista São Paulo - SP

11 3466-5022

contato@lmtelecom.com.br

Criado e desenvolvido por Agência Hauze