• (11) 3466.5015
  • contato@lmtelecom.com.br

Utilities pressionam Anatel a dar nova destinação para faixa de 450 MHz

Fonte: Teletime

Foto - Utilities pressionam Anatel a dar nova destinação para faixa de 450 MHz

Na reunião do Conselho Diretor da Anatel ocorrida dia 8 de março, o pedido das teles de substituir o uso desse espectro pela capacidade satelital nas obrigações de cobertura rural teve novo pedido de vista, mas a área técnica da agência falava em decidir o assunto em julho do ano passado. E não é de hoje que as operadoras optam por não usar a frequência: em fevereiro de 2014, as empresas falavam já em usar outras faixas para cumprir as obrigações. O argumento é que não há ecossistema de hardware que justifique a implantação. 

Não significa que não há interessados em dar destino à frequência de 450 MHz. A faixa é um dos principais pleitos do Utilities Telecom & Technology Council América Latina (UTCAL), associação de empresas de serviços essenciais da região, para a prestação de serviço limitado privado (SLP). No final do ano passado, a entidade elaborou um relatório para investigar a necessidade de espectro para as demandas de empresas de energia elétrica: proteção, para isolar falhas em determinada região e evitar a propagação de interrupções; Sistema de Controle de Supervisão e Aquisição de Dados (SCADA), para o controle remoto de dispositivos na rede; medição remota, para monitorar consumo, qualidade e gerenciar demanda; comunicação móvel de voz para equipes de campo; videomonitoramento; registrador digital de perturbação (RDP); sincrofasores, para melhorar a estabilidade da rede elétrica com a incorporação de gerações renováveis mais distribuídas; e automação de redes, com características de self-healing.

O relatório explica que, apesar de a fibra já ser muito utilizada no setor elétrico, a radiofrequência também é essencial, "tanto no backbone como no acesso às usinas, subestações etc.". E quando questionadas, as empresas do setor falaram em várias frequências, incluindo capacidade em faixas como 700 MHz, 2.200 MHz e até 15 GHz. Em conclusão, contudo, as empresas consideraram que a frequência de 450 MHz "atende a todas as aplicações", incluindo disponibilidade de equipamentos, e demandando largura de banda de 2 MHz de ida e mais 2 MHz de volta.

Pressão

Segundo o vice-presidente do UTCAL, Ronaldo Santarem, esse relatório já foi apresentado ao grupo de discussão Anatel-Utilities, que fará reunião durante evento da entidade no Rio de Janeiro, na semana que vem. "É a primeira reunião aberta após a apresentação do relatório, a gente pretende evoluir na discussão e buscar um caminho a seguir e ver em qual frequência a Anatel entende que podemos usar", disse ele a este noticiário.

A questão com a Anatel, contudo, passa pelo problema que a agência tem a resolver com as teles. O UTCAL espera que as operadoras acabem tendo que devolver as faixas, uma vez que o prazo para cumprir as obrigações de cobertura rural já se encerrou em dezembro de 2016, e mesmo agora essas empresas tentam cumprir isso usando capacidade em outra tecnologia. "A Anatel quer trazer de volta a faixa para um novo leilão, fazer algo. Mas o assunto é muito político, ainda não se decidiu o que fazer", analisa Santarem. "Estamos pressionando, constantemente mandando correspondência, oferecendo trabalhos para mostrar que o 450 MHz pode resolver problema de todas as concessionárias (elétricas) com custo de banda muito baixo; com 2 MHz dá para fazer muita coisa", afirma.

Atualmente, diz Ronald Santarem, as concessionárias elétricas utilizam frequências não licenciadas, o que acaba trazendo problemas de interferência, dependendo do serviço. "Imagina como fica uma região como Copacabana ou Morumbi, onde todas as casas têm Wi-Fi, e essas frequências atendendo e uma Eletropaulo tendo que fazer comandos na rede elétrica", conta. Tampouco soluções de amplo alcance e baixo consumo (LPWA), programadas para Internet das Coisas, atenderiam algumas das demandas por conta da baixa capacidade de dados.

As empresas de utilities entendem que há a possibilidade de usar outras faixas licenciadas também, mas consideram que o regulador poderia promover ao menos o compartilhamento de espectro. "É possível compartilhar, mas tem que ter organização, um controle de quem usa a frequência onde. Mas é viável, talvez seja essa uma das soluções que a Anatel venha a encontrar quando o assunto for decidido pelo conselheiro (relator Otávio Rodrigues)", espera.

 

Outras Publicações

Aprovada destinação de faixas de frequências de 2,3 GHz e 3,5 GHz

A destinação e o regulamento sobre condições de uso das faixas de radiofrequências de 2,3 GHz e de 3,5 GHz foram deliberadas pelo conselh...

Leia +
Mais da metade da população segue ouvindo rádio.

No ano em que mais da metade da população brasileira ouviu rádio todos os dias, segundo pesquisa Book de Rádio do Kantar Ibope Media, o meio se rein...

Leia +
LM Telecom esteve no Streaming Brasil

Da esquerda para a direita, Representante da Claro, Maurício (ABRATEL), José Eduardo (ABRATEL), Rodrigo Ferreira, gerente LM Telecom   &...

Leia +
Secretário de Radiodifusão quer que público avalie a qualidade do serviço

O secretário de Radiodifusão do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Elifas Gurgel, afirm...

Leia +
Câmara de São Paulo escolhe presidente e relator de CPI das Antenas

A Câmara Municipal de São Paulo instalou nesta quarta-feira, 13, uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para apurar eventuais irregularidades no...

Leia +
Contato

R. São Carlos do Pinhal 696 - Bela Vista São Paulo - SP

11 3466-5022

contato@lmtelecom.com.br

Criado e desenvolvido por Agência Hauze